http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Beleza http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Cabelos http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/DIY http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/%23projetoingridmagra http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Decora%C3%A7%C3%A3o http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Look%20do%20Dia  http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Dicas%20de%20make  http://www.ingridaleixo.com.br/search/label/Moda https://www.youtube.com/user/semprelindamakeup

Amamentação exclusiva - A minha experiência

Nessa gravidez, mais do que no tipo de parto que eu teria, eu pensei muito na amamentação. Das outras vezes eu amamentei os bebês sim. Mas não consegui amamentar exclusivamente pelos seis primeiros meses. Com o Bernardo eu simplesmente não sei (digo, não lembro) o que eu aconteceu, mas ele começou a tomar complemento além do meu leite e aos cinco meses começou a comer. Com o Tomás a experiência foi um pouco diferente: ele teve alta do hospital quando nasceu mas eu não. Eu fui para a UTI e ele passou a tomar complemento já nos primeiros dias de vida. Depois que saí do hospital, alguns dias depois, ele começou a mamar sem problemas.
Não estou julgando quem não amamentou por um ou outro motivo, mas era uma coisa que eu realmente queria fazer. E hoje, com a Nina quase completando sete meses, sei que eu consegui. Claro que é a primeira etapa e que eu pretendo amamentá-la por muito tempo ainda, mas eu me senti realizada :) Vou então contar aqui a minha experiência com a amamentação exclusiva.
Nas primeiras duas vezes que amamentei (o Bernardo e o Tomás, dois períodos de tempo diferentes) eu senti MUITA dor nas primeiras duas semanas e meus mamilos racharam. Isso é muito chato, principalmente considerando a privação de sono. Dessa vez quis me sentir preparada caso isso acontecesse.
Aproveitei que consegui fazer o enxoval nos Estados Unidos (contei um pouco sobre isso aqui) e investi até bastante nos produtinhos para a amamentação. Comprei uma bombinha nova (a manual da Medela), a tão famosa pomada de lanolina da Lansinoh, umas almofadas de gel (que podem ser usadas quentes ou frias) também da Lansinoh, almofada de amamentação Boppy, cilindros para armazenar leite da Medela, saquinhos para armazenar leite da Lansinoh e por aqui comprei os absorventes de seios da Cremer e uns pads de gel Mamare. Mas a realidade foi que alguns desses produtos não fizeram nenhuma diferença! As almofadas de gel eu só usei uma vez, a almofada de amamentação não foi muito usada também e os frascos de leite ocuparam muito espaço no meu congelador!
Dessa vez eu não tive problema algum com aquele início da amamentação. Quer dizer... só aquelas cólicas nas primeiras duas semanas. Mas não tive dor nos seios, empedramento ou fissuras. Então nem usei aqueles pads de gel (Mamare) que mencionei lá em cima, mas eles me ajudaram muito nas amamentações (isso existe, gente? hehehe) anteriores. Acho que o ajudou bastante para prevenir essas fissuras foi a pomada da Lansinoh, mas também me acostumei a passar o próprio leite no bico do seio, então não posso dizer com toda a certeza. A bombinha de leite, como nas duas outras vezes, foi fundamental, principalmente para ajudar a aliviar quando o leite se acumulava. Os saquinhos para armazenar leite também foram de grande ajuda: além de tirar leite para doar, eu também quis fazer um estoque para a própria Nina (essa era eu vislumbrando um vale night nos primeiros seis meses de vida dela). Como eu sempre tive muito leite, passei os primeiros dois meses de amamentação usando sempre os absorventes para seios e adorei esses da Cremer porque eles tem um adesivo dentro que a ajuda a fixar o absorvente no seu sutiã. Só que mais do que todos esses produtos, foram as dicas mais simples as que realmente me ajudaram: beber MUITA água dormir (descansar) o máximo possível. Sempre que podia também comia um potinho de frutas enquanto amamentava (me dava muuuita vontade) e como eu adoro chá, tomei esse da Weleda. Observação: Esse chá diz que ajuda na produção de leite, mas eu imagino que seja porque a mulher acaba ingerindo água junto com o chá, né? De qualquer forma esse chá me ajudou na hora matar a vontade de chá, hahaha!
Queria dizer que escolhi amamentar a Nina em livre demanda (em oposição àquela rotina de amamentação de 3 em 3 horas), o que significa que ela mamou (e mama) na hora que quiser. E também, já no final da gestação, cortei alguns alimentos que eu queria evitar durante a amamentação: leite (e seus derivados) e glúten. Evitei porque os meus filhos são alérgicos e porque eu temia que ela tivesse cólicas (o que ela não teve). Quem quiser saber mais sobre esses detalhes, me avisa! Aí eu faço posts só sobre isso ;)
Amamentar pra mim é muito mais do que considerar a parte nutricional, que é super importante. Pra mim é aquele momento inexplicável entre a mãe e bebê, aquela ligação tão clichê. <3 Claro que muitas vezes eu amamento fazendo outra coisa (oi, instagram!), mas também muitas vezes perco a noção do tempo só olhando pra Nina mamando!
Se você está no começo da amamentação ou vai começar em breve, só digo uma coisa: é difícil, como muitas coisas pelas quais que passamos ao termos um bebê, mas vale MUITO a pena!


0 comentários:

Postar um comentário